3 de fevereiro de 2013

Seria a Bíblia um Livro Machista?




Comumente temos visto pessoas, principalmente de círculos céticos à mesma,  atacarem a bíblia em diversos pontos, desde as leis mosaicas até as condutas da Igreja neotestamentária. Um ponto explorado, principalmente no meio das mulheres pelo movimento feminista, tem sido a posição das mulheres na bíblia, já explicamos anteriormente o porquê de não podermos usar textos do Antigo Testamento para validar o pensamento de que a bíblia é machista e por consequência o seu Inspirador. Pois bem, faremos análise de alguns textos polêmicos, neotestamentários para sanar as dúvidas e esclarecer possíveis deformações da interpretação da bíblia.

Apologistas antibíblicos parecem esquecer que Jesus falou com uma mulher samaritana (Jo 4.4-30), esta era amasiada pela quinta vez, algo que é mal visto até mesmo hoje pela sociedade do sec. XXI, tinha uma religião diferente da sua, e mesmo assim demonstrou por ela um profundo respeito e amor. Jesus também livrou uma mulher do apedrejamento, “Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou? Ninguém, Senhor! Respondeu ela. Também eu não te condeno- disse Jesus. Vai e não tornes a pecar.” João 8.10-11.

“Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus.” Gálatas 3:28

Essa passagem mostra claramente o pensamento de Paulo sobre as mulheres na bíblia, a ideia era que todos eram iguais, não haveria nacionalidade, nem privilégios baseados em gêneros, o que haveria era, apenas diferenças de funções, por questões óbvias.

“As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas; porque não lhes é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei.” 1 Coríntios 14:34

O texto acima é, sem dúvida, polêmico, mas não há motivos para alvoroço. Segundo o professor Geoffrey Blainey, professor de história da Universidade de Havard, o costume naquele tempo era que TODAS as pessoas permanecessem caladas no templo, não somente as mulheres. No caso em particular, parece que as mulheres estavam falando no templo e, além disso, falando alto, por isso, o Apóstolo Paulo deu uma ênfase que elas deveriam ficar caladas na igreja e que se tivessem alguma dúvida, retirar em casa quando tivessem a sós com os maridos. A interpretação de que as mulheres não podiam falar de modo algum na igreja, é ruim e falha, pois o próprio Apóstolo Paulo fala que a mulher quando fosse “orar ou profetizar colocasse o véu sobre a cabeça.” (I Coríntios 11.5). E também está escrito que “vossos filhos e vossas FILHAS, profetizarão” (Atos 2.17), e quem não lembra de Felipe, o evangelista? Ele tinha quatro filhas que profetizavam! (Atos 21.7-9)

“As mulheres sejam submissas a seus maridos, como ao Senhor, pois o marido é o chefe da mulher, como Cristo é o chefe da Igreja, seu corpo, da qual ele é o Salvador.”  Efésios 5:22-23

Ao ver esse texto, qualquer mulher, mesmo cristã, se remexe em sua cadeira, pois no mínimo soa mal aos ouvidos. Isso acontece porque estamos acostumados com o conceito mundano de submissão , ou seja, rapidamente nos vem a figura de escravidão em nossas cabeças, bem como o conceito de sub-julgar e não de submissão em amor. O que nós esquecemos é da continuação do texto “como Cristo é chefe da Igreja” e depois diz que os “maridos devem amar suas esposas, a ponto de DAR SUA VIDA por ela”. Qual mulher não queria ter um marido assim? Um marido sábio, assim como Jesus, e que a ama tanto a ponto de dar a sua vida pela esposa? Então mulher e homem, lembrem-se sempre do conceito bíblico de submissão, submissão não pela força, mas pelo AMOR! Assim como a Igreja se submete a Cristo, a mulher deve se submeter ao marido, mas de forma voluntária, de forma que o homem seria o líder da casa, alguém que faria de tudo pela segurança de sua família, por outro lado, a bíblia não manda a mulher morrer pelo marido, e isso não me parece nada machista.

Outro ponto importante é que na bíblia, os homens é que se entregam às mulheres e não as mulheres aos homens, como de costume no nosso tempo, foi Cristo, O Noivo, que se entregou pela Igreja e hoje, a Igreja é quem espera por Cristo.


CONCLUSÃO

Muitos outros textos poderiam ser colocados aqui a fim de desmistificar essa ideia de que a bíblia é machista, no entanto ficaria muito extenso e não atingiria nossos objetivos. Vimos que na bíblia, homens e mulheres são iguais, com diferenças de ofícios, e que o homem deve ser sábio, também cuidador e mantenedor de sua família e que a submissão é em amor, não pela força como imaginamos contemporaneamente.

Por Francisco Tourinho

23 comentários:

Anônimo disse...

"a bíblia não manda a mulher morrer pelo marido, e isso não me parece nada machista".

Acho que seja pelo fato dela ter vindo dele. Sendo assim, se ela morresse por ele, logo ele morreria também. Desta forma, para manter o marido vivo, a mulher não poderia morrer por ele. rs

Anônimo disse...

E porque não está escrito ao contrário, e que o homem deve obedecer a mulher e a mulher com a obrigação de amar o homem? Estranho né.

Francisco Tourinho disse...

Mulheres são por natureza mais amorosas, doces, meigas etc. Acredito que para a mulher isso seja algo tão óbvio que não precise de avisos, já homem, principalmente da época, sempre foi marcado pela força e truculência, assim a bíblia é sábia ao reforçar que o homem deve amar a mulher.

Wesley Conde disse...

Sabe o que acontece com você Tourinho? Descontextualização. Mulheres no AT são tratadas quase a nível de escravas mesmo. As leis em Leviticos e Deuteronônio deixam isto bem claro. Não preciso nem citar os textos. Já no novo testamento houve algum progresso. Eu disse algum, mas e modo nenhum reflete os direitos atuais das mesmas no mundo contemporâneo.Paulo não permitia que mulheres falassem na Igreja, Estas sequer tinha direito de entrar em determinados recintos no Templo Judaico. Bastava que um Judeu emitisse um documento diante de testemunhas e o divórcio, sem nenhum direito a elas estava realizado. Não tinham direito à herança do falecido que voltava para a família dele. Ela podia quando muito, gozar do cuidado dos filhos. Não participa das decisões políticas e muito menos dos negócios. Dedicava-se exclusivamente a procriar, cuidar da prole e do lar (E isto era, fazer tudo mesmo...) para o gostosão que mandava e desmandava e sempre tinha a última palavra. Não, se o evangelho trouxe algum benefício para os mulheres, foi apenas considerá-las pouco melhor que um escravo, nada mais que isto.... Dizer que os evangelhos trouxeram ou colocaram a mulher no seu lugar com direitos igualitários e justiça em termos comuns é se desonesto e pior, não conhecer de fato a realidade da situação judaica mesmo no período do primeiro século. Extremamente machistas, sexistas. O cristianismo posterior só aumentou ainda mais estas barreiras. A Idade média foi uma verdadeira barbárie contra os direitos das mesmas. E ainda hoje estes direitos não são seguidos e muito menos valorizados em grande parte da cristandade como um todo... A diferença é que você seleciona alguns textos, fora de contexto mais geral e se esquece de olhar para a realidade. O que de fato ocorria e qual era de FATO a postura naquela época e ainda hoje quanto a questão....

Francisco Tourinho disse...

Acredito que vc esteja descontextualizado, primeiro porque a questão de falar dentro da igreja está totalmente explicada no texto. Sobre a igualdade, Paulo é claro ao dizer que não existe nem homem nem mulher. O próprio Jesus ao ressuscitar apareceu primeiro às mulheres, que na época nem testemunho válido tinham. Na igreja de Atos, existiam mulheres que ajudavam como Lídia e Prisicilla. Mesmo no AT, tivemos mulheres que foram Juízas, cargo mais alto da sociedade da época.

Muitos dos costumes que vc citou são todos anteriores a Jesus, que reprovou a divórcio nesse tipo de situação citada por vc.

Só lembrando que A esquerda cristaãe o evangelho social (quakers, metodistas e evangélicos do seculo XIX) foram importantes na luta contra a escravidão na Inglaterra ( e contra o racismo nos EUA no seculo XX, vide Luther King). Todas essas foram acões politicas influenciadas por uma interpretação correta do evangelho. O irônico é que, enquanto isso, cientistas ateus endossavam o Darwinismo Social que pregava que os negros eram inferiores e deviam se manter escravos a fim de aprender a serem civilizados. TODOS os cientistas do seculo XIX e do inicio do seculo XX, com honrosas exceções, eram Darwinistas Sociais e Eugenistas, mas a Comunidade dos Biólogos, herdeiros diretos dessa turma, nunca pediu desculpas ao mundo pelos seus erros passados.

O cristianismo contem ideologias politicas que são avançadas para a época (como o conceito cristão de que todos são filhos do mesmo Pai e que não deve haver castas sociais, tiveram importante impacto politico como a influencia na abolição da escravatura. Acho que todos os historiadores modernos concordam com a afirmativa de Nietszche de que o Cristianismo é a matriz do Socialismo, do Anarquismo (os judeus na Terra Prometida não tinham nobres nem reis, eram anarquistas), da Reforma Social, do Feminismo (os judeus, mesmo sendo machistas, eram bem menos que seus vizinhos, basta ver a quantidade de heroínas judias na Bíblia, e mesmo mulheres sendo juízas, o que seria o cargo máximo de liderança na época pré-monarquia. Nietszche, aristocrata e antidemocrata, dizia que o Cristianismo era a religião de escravos e mulherzinhas.

O evangelho colocou sim o homem e a mulher em posição de igualdade, se os seguidores demoraram para fazê-lo e se mais tarde isso foi deturpado, aí não é problema do evangelho, mas que o evangelho foi o precursor das reformas sociais que tivemos isso foi.

Às vezes penso que vc passou o tempo inteiro dormindo nas aulas do seminário, ou então o professor que não ensinava nada.

Maria Madalena Teodosio disse...

«“As mulheres sejam submissas a seus maridos, como ao Senhor, pois o marido é o chefe da mulher, como Cristo é o chefe da Igreja, seu corpo, da qual ele é o Salvador.” Efésios 5:22-23
Ao ver esse texto, qualquer mulher, mesmo cristã, se remexe em sua cadeira, pois no mínimo soa mal aos ouvidos. Isso acontece porque estamos acostumados com o conceito mundano de submissão , ou seja, rapidamente nos vem a figura de escravidão em nossas cabeças, bem como o conceito de sub-julgar e não de submissão em amor. O que nós esquecemos é da continuação do texto “como Cristo é chefe da Igreja” e depois diz que os“maridos devem amar suas esposas, a ponto de DAR SUA VIDA por ela”. Qual mulher não queria ter um marido assim? Um marido sábio, assim como Jesus, e que a ama tanto a ponto de dar a sua vida pela esposa? Então mulher e homem, lembrem-se sempre do conceito bíblico de submissão, submissão não pela força, mas pelo AMOR!» Li hoje um artigo no N.Y: Times sobre uma mulher que defende com base na Bíblia (Novo e Velho Testamento) a submissão da mulherà vontade do marido Note-se bem, "à vontade").
"Submissão por amor" é bastante vago. E esta interpretação é baseada em quê? Achismos. Nada mais que isso e uma bela campanha de marketing pelas alminhas. Podem continuar, mas o que está lá, está lá. Sim, é apenas uma relíquia cultural, mas não se pode chegar ali e inventar uma interpretação mais bonita só porque sim. Mas que mais posso esperar de um criacionista que está convicto de que não é criacionista, que me acusa de mentir e a seguir mente descaradamente, que pensa que é o máximo, mas dá a entender que eu (e uma data de ateus desconhecidos - ???) é que sou narcisista? (Para lhe lembrar caso se tenha esquecido: http://allthatmattersmaddy32b.blogspot.pt/2013/10/1-de-diferenca-e-confusao-sobre-o.html#; http://allthatmattersmaddy32.blogspot.pt/2013/09/a-grande-fuga-do-criacionista-francisco.html#)

Maria Madalena Teodosio disse...


«Só lembrando que A esquerda cristaãe o evangelho social (quakers, metodistas e evangélicos do seculo XIX) foram importantes na luta contra a escravidão na Inglaterra ( e contra o racismo nos EUA no seculo XX, vide Luther King). Todas essas foram acões politicas influenciadas por uma interpretação correta do evangelho. O irônico é que, enquanto isso, cientistas ateus endossavam o Darwinismo Social que pregava que os negros eram inferiores e deviam se manter escravos a fim de aprender a serem civilizados. TODOS os cientistas do seculo XIX e do inicio do seculo XX, com honrosas exceções, eram Darwinistas Sociais e Eugenistas, mas a Comunidade dos Biólogos, herdeiros diretos dessa turma, nunca pediu desculpas ao mundo pelos seus erros passados.» - A desviar o assunto. A escravatura não está em causa.

Francisco Tourinho disse...

maria, acho bom vc se tratar querida,se quiser posso indicar um bom psiquiatra!

Ah, posso indicar tbm um bom psicopedagogo para te ensinar a ler tardiamente!

Francisco Tourinho disse...

Mas só para não deixar de responder, a intrepretação não é machismo, essa sempre foi a posição da ala esclarecida da Igreja, mesmo na Idade Média:
https://www.facebook.com/questoesultimas/photos/pb.708416015857168.-2207520000.1414536499./843312672367501/?type=1&theater

Maria Madalena Teodosio disse...

Bonito. Achismo baseado em achismo...

Maria Madalena Teodosio disse...

«maria, acho bom vc se tratar querida,se quiser posso indicar um bom psiquiatra!

Ah, posso indicar tbm um bom psicopedagogo para te ensinar a ler tardiamente!» - A resposta típica (passar aos ataques pessoais) de quem tem pouco mais para dizer...

Francisco Tourinho disse...

Não é achismo, na idade média já se dava a mesma interpretação q estou dando. Infelizmente carece de leitura a vc, que ignora a ciência histórica!

"Mas só para não deixar de responder, a intrepretação não é machismo, essa sempre foi a posição da ala esclarecida da Igreja, mesmo na Idade Média:
https://www.facebook.com/questoesultimas/photos/pb.708416015857168.-2207520000.1414536499./843312672367501/?type=1&theater

Maria Madalena Teodosio disse...

Acho que não percebeu o que eu quis dizer... A interpretação dos "estudiosos" da idade média parece tão baseada em achismos como parecia à luz da exposição que fez no seu texto - é achismo.

Maria Madalena Teodosio disse...

E eu não ignoro a ciência histórica (quem normalmente ignora a ciência de um modo geral são os criacionistas).

Francisco Tourinho disse...

Pq vc acredita que isso é achismo? Justifique-se!

"E eu não ignoro a ciência histórica"

O texto está referenciado, agora mostre pq o Dr. Geoffrey blainey, um dos ícones da ciência histórica mundial, está errado e pq minha interpretação está errada e sob qual referência teológica e filosófica vc defende isso?

Maria Madalena Teodosio disse...

«O texto está referenciado, agora mostre pq o Dr. Geoffrey blainey, um dos ícones da ciência histórica mundial, está errado» Eu não disse que estava errado, eu disse que nao era justificado (ou seja, que era achismo). É diferente. Vc que escreveu o texto é que tem que justificar.

Maria Madalena Teodosio disse...

Além disso, por amor ou pela força, seja pelo que for, submissão é submissão.

Francisco Tourinho disse...

Vc disse que era achismo, eu peço para que justifique com fontes (se possível) porque vc acha que essa interpretação é achismo, não cabe a mim justificar o porquê de vc acreditar que o meu texto é achismo, isso cabe a vc. Meu texto já está justificado com as devidas referências, se vc afirma que tudo isso não passa de achismo, pois que vc se baseie em algo, pois se isso for apenas sua opinião, o achismo vem da sua parte, não da minha.

Maria Madalena Teodosio disse...

«Vc disse que era achismo, eu peço para que justifique com fontes (se possível) porque vc acha que essa interpretação é achismo, não cabe a mim justificar o porquê de vc acreditar que o meu texto é achismo, isso cabe a vc.» - Pois, não lhe cabe a si (daah!) - o que lhe cabe a si é justificar a sua opinião, que eu não vejo justificada de maneira nenhuma. Nada do que ali disse justifica "submissão por amor (pode ser por receio, por outra coisa qualquer). As referências que deu também não justificam posição nenhuma (a não ser que a sua justificação se baseie apenas na opinião (injustificada) de outros.
Por tudo isto eu acho que é achismo.

Francisco Tourinho disse...

Existe uma disciplina chamada hermenêutica bíblica e outra chamada exegese bíblica, minha interpretação está segundo todos os critérios de hermenêutica e exegese bíblica, logo, está totalmente justificada, agora para que vc possa dizer que minha interpretação é só achismo, nesse caso vc tem que mostrar onde está o erro hermenêutico e exegético da minha interpretação. O único achismo que estou vendo aqui é o seu, pois não tem fonte alguma para justificar o porquê de eu está errado.

Francisco Tourinho disse...

E sobre a submissão, não sei pq esse alarde todo, é claro que não posso exigir de uma pessoa que não conhece que entenda sobre isso, seria como tentar descrever o sabor salgado para alguém que nunca comeu sal.

A diferença de papeis entre homens e mulheres é inclusive hoje apoiado pela ciência, é claro que a bíblia já estabelecia essa verdade bem antes e mais uma vez está certa e bem a frente do seu tempo.

O que eu não consigo entender é como uma pessoa pode ser submissa ao chefe no trabalho, ao professor na universidade, mas se ofende ao ser submissa ao homem dentro de casa.

Anônimo disse...

Tourinho eu acredito que Deus ama a sua criação idependente de gênero (masculino/feminino) mas, levando em conta o contexto hstórico que a Bíblia retrata creio que as mulheres são sim inferiorizadas pelos homens.
Gostaria que comentasse.

Anônimo disse...

Tourinho, eu acredito que Deus ama a sua criação idependente de gênero (masculino/feminimo) mas, se levarmos em consideração o contexto histórico em que as histórias bíblicas ocorreram as mulheres eram inferiorizadas.
Gostaria que comentasse.